Data
19
Outubro
2022
Comunicado
GEOTA faz o rescaldo dos incêndios para o país não esquecer

Este ano, foram registados 10 449 incêndios rurais, uma subida de cerca de 3 mil incêndios face ao ano de 2021. Neste sentido, em 2022 foram consumidos 110 007 hectares pelos fogos, o que representa o valor mais elevado desde 2017 em Portugal, segundo os últimos dados oficiais do ICNF. O GEOTA apela ao governo e aos cidadãos para que sejam feitos esforços no sentido de recuperar a área ardida nos últimos e que se desenvolvam ações de prevenção a pensar no verão de 2023.

“Os incêndios e o seu combate entram na agenda mediática todos os verões, mas rapidamente perdem protagonismo. É necessário admitir que não é no verão que se previnem os incêndios. É sim fundamental que durante todo o ano os esforços se prolonguem, sobretudo para antecipar catástrofes como foi o incêndio da Serra da Estrela.”, esclarece João Dias Coelho, Presidente do GEOTA.

Segundo o 8.º Relatório Provisório de Incêndios Rurais do ICNF, comparando os valores do ano de 2022 com o histórico dos 10 anos anteriores, assinala-se que o ano de 2022 apresenta, até ao dia 15 de outubro, o quarto valor menos elevado em número de incêndios, no entanto o quinto valor mais elevado em área ardida. A área ardida em 2022 foi aproximadamente duas vezes superior aos anos de 2018, 2019 e 2020 e quatro vezes superior ao ano de 2021. O relatório revela ainda que mais de um quarto dos incêndios rurais registados este ano teve como origem o fogo posto, sendo esta a segunda causa mais frequente, depois das queimas e queimadas, o que demonstra a necessidade de mais campanhas de sensibilização.

Miguel Jerónimo, coordenador dos projetos Renature reforça que “este ano, mais do que o número de incêndios, o grande problema foram os hectares de área ardida, o que revela uma má prevenção e gestão da nossa floresta. Por outro lado, não podemos abandonar as áreas ardidas. Temos de apostar numa política de proximidade com as populações e proprietários florestais que ajude a recuperar o passivo ambiental, económico e social que é deixado pelos incêndios, ao invés de aplicarmos a maioria dos nossos esforços e recursos no combate aos incêndios.”

Segundo a proposta de Orçamento de Estado para 2023 estão cabimentados cerca de 112 milhões de euros para a despesa com a locação de meios aéreos e para as Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR). “Desafiamos o Governo a demonstrar qual será o investimento total previsto para 2023 na real transformação da paisagem, ou seja, que valores do orçamento vão ser aplicados na recuperação das áreas ardidas garantindo assim uma floresta biodiversa, com espécies autóctones e gerida a curto, médio e longo prazo.”, afirma Miguel Jerónimo. 

O GEOTA realça ainda os dados deste ano do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, que revelam que o maior número de incêndios deflagrou no distrito do Porto, seguido de Braga e Vila Real. Julho foi o mês que apresentou um maior número de incêndios rurais, com um total de 2629, o que corresponde a 25% do número total registado este ano, tendo registado também a maior área ardida, de 50 399 hectares, o que representa 46% do total deste ano.

Registaram-se ainda 101 incêndios de grandes dimensões que consumiram pelo menos mais de 100 hectares. Só o incêndio da Serra da Estrela, que consumiu 24 334 hectares da Serra da Estrela, corresponde a cerca de 20% da área total ardida em 2022.


Em 2019 o GEOTA criou o primeiro projeto Renature, na sequência do grande incêndio de 2018 que dizimou a floresta da Serra de Monchique, no qual se desenvolvem ações de reflorestação e de recuperação da área ardida. Até ao momento, o Renature Monchique iniciou a recuperação em cerca de 800 hectares e estão a ser apoiados cerca 60 proprietários. Em resultado dos trabalhos no terreno já foram plantadas 200 000 árvores autóctones e é esperado que até março de 2023 sejam plantadas mais 75 000.

Replicando o trabalho que tem vindo a ser feito o GEOTA criou em 2021 um segundo projeto, o Renature Leiria. O projeto tem como objetivo devolver o verde ao Pinhal de Leiria com 1 300 000 árvores até 2026. O conjunto de intervenções visa recuperar e rearborizar cerca de 1 000 hectares tendo sido plantadas até ao momento 50 000 árvores.

Até 2026 estes dois projetos representam um investimento de 3,7 milhões de euros, com financiamento 100% privado.

Partilhe este artigo
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppTelegramGoogle
Evento
19
Outubro
2022
Em Destaque
GEOTA - João Dias Coelho participa em «Mundo a Seus Pés» do Expresso
Ambiente e Território
Ambiente e Território
João Dias Coelho participa em «Mundo a Seus Pés» do Expresso
15 de Nov., 2022
Autor: GEOTA
Ver mais
GEOTA - Vamos plantar mais 75 mil árvores autóctones na Serra de Monchique
Florestas e Biodiversidade
Vamos plantar mais 75 mil árvores autóctones na Serra de Monchique
10 de Nov., 2022
Autor: GEOTA
Ver mais
GEOTA - Aeroporto de Lisboa: Associações Ambientalistas reuniram no dia 19 de setembro, com Partido Social Democrata
Ambiente e Território
Aeroporto de Lisboa: Associações Ambientalistas reuniram no dia 19 de setembro, com Partido Social Democrata
20 de Set., 2022
Autor: Geota
Ver mais
SUBSCREVA A
NOSSA NEWSLETTER
Fique a par de
tudo sobre geota