Data
10
Março
2023
Comunicado
GEOTA reconhece potencial das energias renováveis offshore em Portugal mas deixa seis alertas

O GEOTA reconhece o potencial das energias renováveis oceânicas para a descarbonização do sistema energético português. "Esta é uma aposta necessária, que permite diversificar as fontes de energia renovável e pode reduzir a pressão no território terrestre, mas que deve ser feita de forma bem ponderada" afirma Miguel Macias Sequeira, membro do GEOTA e investigador em energia e clima na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Ainda assim, o GEOTA participou na consulta pública da proposta preliminar de novas áreas de implantação para energias renováveis offshore, levantando seis principais alertas:

Embora as renováveis offshore permitam reduzir as emissões de gases de efeito estufa, já existem também evidências de impactes negativos nos ecossistemas e em algumas espécies marinhas que não podem ser olvidados. Pode também haver impactos negativos nas atividades piscatórias, noutras atividades tradicionais e na paisagem costeira.

Face ao objetivo de instalar 10 GW de potência eólica offshore até 2030, urge questionar a justificação técnica desta meta. Para referência, este valor corresponde a quase o dobro da potência instalada eólica onshore em Portugal (5,6 GW em 2020). Existem alternativas ao sobredimensionamento excessivo dos sistemas centralizados de eletricidade renovável, que passam por eficiência energética, renováveis descentralizadas e flexibilidade nos consumos.

O GEOTA considera que as áreas propostas nesta fase são demasiado vastas e refletem o desconhecimento do território. Deve ser feita uma análise mais exaustiva à escala local de forma a refinar áreas mais específicas onde de facto poderá fazer sentido implementar estes projetos.

Existem conflitos ambientais claros com sobreposições em áreas protegidas. Relembramos que Portugal assinou o compromisso de proteger 30% do seu território marinho. O primeiro passo tem de ser melhorar a proteção das áreas protegidas já existentes. Dado que, atualmente, Portugal apenas protege 2,5% da sua área marinha, a expansão dos parques eólicos offshore deve simultaneamente antecipar a necessidade de expandir a proteção de ecossistemas marinhos essenciais.

O relatório reconhece que existem lacunas de informação importantes a colmatar. É necessário estudar  área-a-área as consequências ambientais e sociais, positivas e negativas, da instalação de parques eólicos offshore. A realização de procedimentos sólidos de avaliação de impactes ambientais é crucial. A passagem dos cabos submarinos e das linhas de alta tensão também merece um estudo cuidadoso, que parece não ter sido começado ainda.

Por fim, é crucial refletir sobre o desenho dos concursos para atribuição de licenças de exploração. Os leilões deverão incluir critérios não financeiros, de forma a alavancar projetos que sejam viáveis e que promovam benefícios múltiplos para o território. Devem ser aprendidas as lições dos leilões solares de 2019 e 2020, onde a escolha cega e orgulhosa “do mais barato” - anunciado com pompa e circunstância como os "preços mais baixos do mundo" - tem levado a atrasos na execução real dos projetos.

O GEOTA apoia o desenvolvimento de energias renováveis oceânicas em Portugal.  No entanto, "é urgente o Governo estabelecer uma estratégia que avalie os seus impactos positivos e negativos no ambiente e sociedade e que defina concretamente como e onde devem ser implementadas os parques eólicos offshore, repetindo-se os erros que estão a ser cometidos noutras fontes de energia renovável" alerta Miguel Macias Sequeira.


Miguel Macias Sequeira, membro do GEOTA e investigador em energia e clima na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, m.sequeira@campus.fct.unl.pt

Partilhe este artigo
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppTelegramGoogle
Evento
10
Março
2023
Em Destaque
GEOTA - Declaração Conjunta: Redução de pesticidas na UE
Ambiente e Território
Ambiente e Território
Declaração Conjunta: Redução de pesticidas na UE
27 de Fev., 2024
Autor: GEOTA
Ver mais
GEOTA - Reabertura do Processo Eleitoral para 2024/2025
Para Sócios
Reabertura do Processo Eleitoral para 2024/2025
26 de Fev., 2024
Autor: GEOTA
Ver mais
GEOTA - Assembleia Geral -  Convocatória
Para Sócios
Assembleia Geral - Convocatória
26 de Fev., 2024
Autor: GEOTA
Ver mais
SUBSCREVA A
NOSSA NEWSLETTER
Fique a par de
tudo sobre geota