void void
 Homepage
void
void
void
void
 

O GEOTA

Centro Ecológico Educativo do Paul Tornada

Comunicados

Grupos temáticos

Projectos

Associados

PROTOCOLOS

Histórico

Voluntariado
ipdj
   HomePage  Comunicados
Fábrica de Cimento de Rio Maior - Parecer conjunto no âmbito da consulta pública
OIKOS e GEOTA, são
frontalmente contrárias à implantação deste projecto

data
: 28-08-2010

Estudo de Impacte Ambiental
da Fábrica de Cimento de Rio Maior
Parecer conjunto no âmbito da consulta pública

27 de Agosto de 2010


INTRODUÇÃO


O presente documento constitui o contributo conjunto das ONGA, OIKOS - Associação de
Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria, e GEOTA – Grupo de Estudos
de Ordenamento do Território e Ambiente no âmbito da consulta pública do Estudo de
Impacto Ambiental (EIA) da Fábrica de Cimentos de Rio Maior.


1. DEFINIÇÃO DO PROJECTO
O projecto em análise consiste na construção de uma Fábrica de Cimento que tem como
objectivo o fabrico de Cimento Portland, através de um linha seca, com capacidade para
500 000 ton/ano.
O Projecto enquadra-se em área sensível, sendo abrangido pela legislação de AIA –
Avaliação de Impactes Ambientais ao abrigo do Decreto-Lei n.º 69/2000, de 3 de Maio
(alterado e republicado no Decreto-Lei n.º 197/2005, de 8 de Novembro).


2. APRECIAÇÃO DO ESTUDO DE IIMPACTE AMBIENTAL (EIA)
2.1 Justificação do empreendimento
As justificações apresentadas no EIA, para o empreendimento, na óptica das ONGA
signatárias não têm qualquer fundamento, senão vejamos:
1- “A Fábrica de Cimentos de Rio Maior virá contribuir para reduzir o estado actual
deficitário no sector cimenteiro nacional, sendo por conseguinte importante, fomentar as
condições necessárias para a criação desta indústria”.
Quanto a este aspecto, o próprio EIA, refere a existência de 6 cimenteiras em Portugal, e,
segundo os últimos dados disponíveis, mormente do INE, o consumo de cimento em
Portugal, - como o próprio EIA também refere - tem vindo a diminuir acentuadamente nos
últimos anos, pelo que, ao contrário do referido no estudo, a produção de cimento em
Portugal, ao invés de deficitária, é excedentária em vários milhões de toneladas / ano.
2 – “Representará um unidade estratégica, quer em termos de localização, na região
centro do país com boas acessibilidades para o escoamento e distribuição do produto
(…)”.
Quanto a este aspecto, existem na região, a poucos quilómetros de distância, Maceira Lis
(Leiria) e Pataias (Alcobaça), duas cimenteiras, pelo que o factor de localização
estratégica, na região centro do país, não se afigura minimamente plausível.
Assim, neste contexto, as ONGA signatárias entendem que Portugal não precisa de mais
cimenteiras, as existentes estão a funcionar abaixo da sua capacidade. Num cenário de
crise económica e necessidade de conter as emissões de GEE, não faz qualquer sentido
levar por diante este projecto, de elevados impactes ambientais, alto consumo energético
e emissões de GEE. Seria insistir num modelo de desenvolvimento completamente
inadequado.
2.2 Localização e área de implantação
Em termos administrativos a área de implantação da Fábrica de Cimento de Rio Maior
pertence ao concelho de Rio Maior, freguesia de Rio Maior, inserida na NUT II da Região
Alentejo e na NUT III da Sub-Região da Lezíria do Tejo.
A Fábrica de Cimento irá inserir-se totalmente, em área de Rede Natura 2000, no Sítio de
Interesse Comunitário – SIC das Serras de Aire e Candeeiros (PTCON0045) e,
igualmente, na sua totalidade, em área de Reserva Ecológica Nacional (REN) e, junto ao
limite Sul do Parque Natural da Serras de Aire e Candeeiros.
O projecto não apresenta alternativas de localização.
2.3 Impactes ambientais
Os impactes ambientais decorrentes da implantação deste projecto são muito elevados,
contudo, no EIA, são avaliados, de forma genérica, e insuficiente, sem especificação
pormenorizada dos diversos descritores, sendo desvalorizado, e por vezes ignorado o
facto do projecto se localizar totalmente em Rede Natura 2000 e Reserva Ecológica
Nacional (REN).
Observa-se ainda o facto de, no que respeita às pedreiras, o estudo enfatizar a pedreira
onde vai ser instalada a fábrica, como a principal fornecedora de matéria prima, mas
também referir a necessidade de recurso a outras pedreiras, - “Serão utilizadas matérias
primas provenientes sobretudo da pedreira de calcários n.º 4652 “Vale da Pedreira” para
onde se encontra prevista a implantação da fábrica, embora venha também a necessitar
de materiais provenientes de outras pedreiras de calcários margosos, margas e gesso,
em laboração nas vizinhanças” – contudo, os impactes decorrentes da exploração destas
pedreiras, bem como os efeitos cumulativos, sobre a paisagem e restantes descritores
não são analisados no EIA. Para além de que “nas vizinhanças” é muito vago, sendo
plausível que a área afectada por essas pedreiras seja avultada e dispersa, por outras
áreas de grande sensibilidade e valor conservacionista, inclusive dentro do próprio
PNSAC.
Salienta-se ainda que a construção de uma fábrica de cimento neste local vai no sentido
contrário do que são as orientações de gestão para o Sitio de Interesse Comunitário
PTCON0045 Serras de Aire e Candeeiros contrariando, o Plano Sectorial, da Rede
Natura 2000, uma vez que propõe um aumento dos impactes com efeitos cumulativos
mais amplos que afecta a sustentabilidade dos valores presentes. Por outro lado, a
construção da fábrica inviabilizaria qualquer recuperação paisagística a médio / longo
prazo deste local.
Assim, Para as ONGA signatárias é inaceitável degradar um sítio da Rede Natura 2000, e
da Reserva Ecológica Nacional, reforçado pelo facto do empreendimento em causa não
ser, de forma alguma, uma necessidade. Mesmo que fosse, tinha de ser demonstrada a
ausência de alternativas.
Apresenta-se de seguida uma análise por descritor:
2.3.1 Geologia / Geomorfologia
A localização integra-se no Maciço Calcário Estremenho onde predominam as formações
cársicas. É conhecida a importância que os sistemas cársicos detêm, nos diversos
aspectos, nomeadamente em termos da geomorfologia, bem como a sua sensibilidade
ecológica. A implantação de uma fábrica de cimento, e exploração de pedreiras
associada, numa zona com estas características provoca grandes impactes sobre estes
sistemas. Contudo, estes impactes são analisados de forma muito superficial, no EIA,
mormente pelo facto de apenas ser referida a pedreira onde seria implantado o projecto e
serem ignoradas as restantes pedreiras indicadas como necessárias ao funcionamento
da fábrica.
2.3.2 Flora
O estudo desvaloriza este descritor, partindo do pressuposto, erróneo, de que a fábrica
será implantada numa pedreira, referindo: “Em termos ecológicos, a área de
implantação directa do empreendimento em estudo apresenta um valor florístico e
faunístico considerado baixo, devido às intervenções a que tem sido sujeita, embora se
insira num contexto regional de elevado valor conservacionista”.
Para além do contexto regional devem ser referidas as áreas envolventes do projecto
como de elevado valor conservacionista, já que a implantação de um a fábrica de
cimento neste local traria graves prejuízos para a flora local, com destaque para os
habitats naturais (9240+9330) e (5330), sobretudo pelas poeiras, tanto na fase de
construção como de exploração, da fábrica e das diversas pedreiras referidas.
2.3.3 Fauna
Do mesmo modo em relação à fauna, a existência de espécies prioritárias
(lamentavelmente não referidas no estudo) de conservação e com estatuto de ameaça
elevado (livro Vermelho dos Vertebrados), nomeadamente, ictiofauna, avifauna e
mamíferos, (carnívoros e morcegos) seriam seriamente afectadas, principalmente pelo
ruído e poeiras, tanto na fase de construção como de exploração, da fábrica e das
diversas pedreiras referidas.
2.3.4 Recursos Hídricos
Para além dos diversos impactes causados por este tipo de empreendimento, nos
recursos hídricos, numa zona de morfologia cársica, salienta-se o facto da localização da
fábrica se situar, na proximidade, a poucas centenas de metros da exurgência do do rio
Maior "bocas do rio maior"; o que poderia ainda ter efeitos agravados, facto também
ignorado no EIA.
2.3.5 Paisagem
A paisagem onde se pretende implementar o projecto é uma paisagem de natureza
cársica de grande sensibilidade e a instalação do presente projecto teria efeitos muito
nefastos sobre a mesma, aos diversos níveis, quer pela laboração da fábrica, quer pela
exploração das diversas pedreiras associadas a essa laboração e cujos efeitos
cumulativos não são analisados no presente EIA.
Por outro lado, como já referido acima a construção da fábrica que inviabilizaria qualquer
recuperação paisagística a médio / longo prazo deste local.
2.3.6 Ordenamento do Território
A implantação deste projecto é incompatível com os Instrumentos de Ordenamento do
Território para o local, mormente o Plano Sectorial da Rede natura 2000 e da Reserva
Ecológica Nacional (REN). No respeita à REN, o próprio estudo refere (aditamento Junho
2010) a localização em causa como ilegal: “Assim, no que respeita à afectação de áreas
condicionadas ao abrigo da REN e de acordo com o Decreto-Lei n.º 166/2008, de 22 de
Agosto, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 63-B/2008, a construção de uma
fábrica de cimento não é um uso ou acção compatível com os objectivos de protecção
ecológica e ambiental, e de prevenção e redução de riscos naturais de áreas integradas
na REN. Deste modo, considera-se que não existe conformidade do projecto com o
regime jurídico da REN.”
Não se percebe, pois, como, na análise dos impactes, este instrumento é praticamente
ignorado.
2.3.7 Populações locais
Os impactes locais do empreendimento, em especial no que respeita à afectação das
populações próximas, não se encontram devidamente analisados, mormente no que
respeita à qualidade do ar, poeiras e ruídos.
2.3.8 Energia e Emissão de GEE
O consumo de energia e as emissões de GEE são completamente ignorados no EIA.
Contudo as ONGA signatárias entendem que estes aspectos se revestem de grande
importância, reforçada pela actual conjuntura de crise económica e de necessidade de
contenção de emissões de GEE.
A construção de uma fábrica de cimento não pode ser analisada só pelos seus impactes
directos. Uma instalação deste tipo, enquanto grande emissor de CO2, deve integrar-se
numa estratégia nacional. Não se percebe, pois, como é possível apresentar este
projecto sem nunca referir este aspecto, mormente as condicionantes relativas à
atribuição de licenças de emissão de CO2, para novas instalações, para o período 2008 -
2012 (PNALE II).
Assim, na opinião das ONGA signatárias, na actual conjuntura, e, num cenário de
produção excedentária de cimento, não faz qualquer sentido a atribuição de mais
licenças de emissão de CO2 a cimenteiras.


CONCLUSÃO
Face ao exposto, pela clara ausência de justificação para a construção do projecto - não
havendo qualquer necessidade de mais cimenteiras em Portugal - e pelos elevados
impactes que acarretaria, as ONGA signatárias deste parecer, OIKOS e GEOTA, são
frontalmente contrárias à implantação deste projecto.


27 de Agosto de 2010


As Direcções das ONGA subscritoras:


OIKOS – Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria
GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente

 
     
desenvolvido com
Senso Comum lda
O GEOTA é uma associação de defesa do ambiente, de âmbito nacional e sem fins lucrativos, em actividade desde 1981