void void
 Homepage
void
void
void
void
 

O GEOTA

Centro Ecológico Educativo do Paul Tornada

Comunicados

Grupos temáticos

Projectos

Associados

PROTOCOLOS

Histórico

Voluntariado
ipdj
   HomePage  Comunicados
Componente rodoviária da nova ponte sobre o Tejo - Ainda vamos a tempo de evitar um erro!
Não fazer a componente rodoviária permite poupar 500 milhões de euros, permitindo reduzir o défice das finanças públicas e investir em transporte colectivo

data
: 30-04-2010

Componente rodoviária da nova ponte sobre o Tejo
Ainda vamos a tempo de evitar um erro!

Não fazer a componente rodoviária permite poupar 500 milhões de euros, permitindo reduzir o défice das finanças públicas e investir em transporte colectivo

Lisboa, 30 de Abril de 2010

O Governo anunciou ontem que “A terceira travessia do Tejo em Lisboa, que inclui linhas ferroviárias de alta velocidade e de velocidade normal e rodovia, será decidida depois da avaliação do relatório sobre o projecto, recentemente completado.

Felicitamos o Governo por repensar este investimento, muito especial a sua componente rodoviária.

Uma vez que vai ser feita uma reanálise, vimos relembrar alguns pontos sobre a componente rodoviária que nos parecem fundamentais:

- A utilidade da nova travessia ferroviária parece ser consensual, embora permaneçam dúvidas sobre múltiplos aspectos da sua concretização: a interligação ao nó ferroviário e estação central de Lisboa, a adequação do traçado, as soluções técnicas, e a oportunidade de dar prioridade a esta obra num contexto de crise económica.

- A componente rodoviária, ou seja, a construção do tabuleiro e acessos que permite a travessia rodoviária, não é um “já agora”.

- Os estudos publicados estimam um custo aproximado de 1000 milhões de euros para a travessia ferroviária Chelas-Barreiro (incluindo acessos mas excluindo o material circulante e custos indirectos); os mesmos estudos estimam o sobrecusto da valência rodoviária em 50 a 70%, ou seja, 500 a 700 milhões de euros adicionais (incluindo acessos mas excluindo custos indirectos em termos de saúde de pública, aumento de tráfego, emissões poluentes e outros). Tomemos como referência um sobrecusto da rodovia de 500 milhões de euros, que a maioria dos especialistas parece considerar verosímil.

- A Lusoponte tem o monopólio de todas as travessias rodoviárias do estuário do Tejo, pelo que a componente rodoviária da TTT teria de ser paga pelo erário público e oferecida à Lusoponte para explorar — não há aqui hipóteses de financiamentos comunitários ou “project finance”, a não ser que o prazo de concessão fosse (ainda mais) estendido;

- Os 500 milhões de euros poupados com a terceira travessia rodoviária permitiriam:

-                    Evitar mais uma escalada inútil do défice público (500 milhões de euros são aproximadamente 0,3% do PIB);

-                    Ou ampliar a rede do Metropolitano de Lisboa até 10 km (um aumento de 25%);

-                    Ou ampliar a rede do Metro Sul do Tejo até 25 km (um aumento de 200%);

-                    Ou combinações das soluções anteriores.

Em síntese, o GEOTA propõe que a componente rodoviária da terceira travessia do Tejo em Lisboa não seja feita. O montante poupado deve ser utilizado para promover os transportes colectivos, por exemplo desenvolvendo o metropolitano em Lisboa e na margem Sul e para reduzir o défice das finanças públicas.

                                                                                                                           

Para mais esclarecimentos contactar:

 

 

Fontes:  http://www.portugal.gov.pt/pt/GC18/Noticias/Pages/20100429_Not_OP.aspx

 
     
desenvolvido com
Senso Comum lda
O GEOTA é uma associação de defesa do ambiente, de âmbito nacional e sem fins lucrativos, em actividade desde 1981